Aconteceu

Por que participamos de eventos?

Por André Cavalli, Diretor de Vendas e Marketing – IT Mídia

Na última semana, a convite do Governo de Quebec, tive a oportunidade de conhecer um dos mais inovadores eventos de marketing, inovação e criatividade do mundo.
O C2 Montreal, é um evento de negócios e foi idealizado e desenvolvido pela agência de publicidade SID LEE e o CIRQUE DU SOLEIL.

O texto, publicado por Tara Hunt no site do C2 e que compartilho link abaixo, fala um pouco sobre o que é o evento e faz uma interessante provocação do por que ainda participamos de eventos?

Por que pagamos para participar, as vezes viajamos para participarmos de eventos, sendo que boa parte deles compartilha conteúdo as vezes em ‘real time’, ou se não, o conteúdo completo fica disponível minutos depois. Exemplos como o TED, que alguns ingressos chegam a custar cerca de U$10 mil dólares, e os vídeos estão disponíveis no YouTube para quem quiser ver gratuitamente. O festival Coachella, que transmite via streaming toda programação do festival. Em ambos, TED, Coachella difícil conseguir ingresso mesmo pagando um valor alto.

Pagamos por conteúdo? Não somente, os conteúdos temos gratuitamente se quisermos. Pagamos por fazer parte de uma comunidade? Também não somente, o LinkedIn e o Facebook entre outras redes permitem que consigamos compartilhar experiências por interesses sem precisar sair de casa.

No C2, tudo parece ser pensado para nos tirar da zona de conforto, da maneira comum do pensamento e agir, a começar quando se faz a inscrição, onde é preciso descrever quais minhas intenções de aprendizado durante o encontro e o que eu posso ou gostaria de compartilhar de conhecimento com as demais pessoas que estarão presentes. E não somente profissional, mais experiências de vida.

E se unir tudo isso, troca de conhecimento, experiência, conteúdo e arte?

Ótimos e muitos conteúdos disponíveis, desde Muhammad Yunus, prêmio Nobel ; Steve Wozniak, co fundador da Apple ; Michelle Taller da NASA; ouvir Maestro Kent Nagano da orquestra sinfônica de Montreal e muitos workshops, labs e trabalhos em grupo, como o incomum laboratório para fazer um enorme bolo ou um brainstorm suspenso a 4m de altura para discutir sobre os riscos nas organizações.

Pensei que nós latinos que para fazermos negócios tínhamos esta maior necessidade de nos encontrarmos, de tocar, de ver, mas mudei minha opinião durante o C2. E não para por aí, durante o evento foi anunciado Melbourne como o primeira cidade fora do Canadá a receber o evento dias 30/11 e 1/12/17.

A resposta é que pagamos e vamos a eventos porque somos seres humanos. Gente precisa encontrar gente e vai precisar sempre.

https://www.c2montreal.com/post/still-attend-events/

Add CommentYour email address will not be published