Jeito IT Mídia de Ser

O menino que não desperdiçava oportunidades

Mudar de planos nunca foi um problema para Marco Silva, que vive com uma convicção: “quero abrir a minha mente para me tornar um profissional cada vez mais competente”

Foram necessários três meses para que Marquinho, com o auxílio de revistas de música, conseguisse desvendar e reproduzir no violão as notas de uma de suas músicas preferidas: “Don’t Cry”, do Guns N’Roses. Aos sete anos, quando escutou Mamonas Assassinas pela primeira vez, Marco Silva, analista de mercado na IT Mídia, decidiu que aprenderia a tocar o instrumento. E, como arcar com o custo de aulas não era uma alternativa, a vontade o transformou em autodidata.

De um instrumento de corda a outro, Marquinho também dominou o contrabaixo. Sua preferência era a guitarra, porém, a banda que havia formado com os colegas de escola já tinha a vaga preenchida. “Meu irmão tocava guitarra muito melhor do que eu. E a banda precisava de um baixista, então, entrei na onda”, conta ele, lembrando que o interesse pelo novo equipamento o fez conhecer referências como Flea, do Red Hot Chili Peppers; Duff McKagan, do Guns N’Roses; e Nando, do Roupa Nova.

A banda de infância durou sete meses, mas o grupo que montou na adolescência completaria dez anos e até gravaria discos. Mas, o sonho do palco foi, pouco a pouco, dando lugar à realidade dos primeiros contatos com o mercado de trabalho. Caçula, tinha 16 anos quando foi estimulado pelo seu irmão a trabalhar em uma gráfica que fabricava sacos plásticos para supermercados. “Tínhamos uma visão muito pequena do mundo”, recorda.

Poucos anos depois, quando fazia curso técnico de administração – Marquinho acreditava, até então, que esse seria o auge de seus estudos –, ouviu falar do Instituto IT Mídia, à época conhecido como projeto Profissional do Futuro. “Meu professor indicou a mim e mais alguns alunos para participar de um processo seletivo que concederia bolsa de estudos para cursar faculdade. Fiz a prova sem acreditar que teria chance”. Dentre os 400 concorrentes, conseguiu a primeira das 20 vagas disponíveis.

A formação escolhida foi Gestão da Qualidade, que não era um sonho, mas sim a opção disponível no momento. “Meus irmãos e eu crescemos sem esperança de fazer uma faculdade. Não havia condições para isso. Então, quando eu consegui a vaga, abracei a oportunidade.” A formatura foi um divisor de águas não somente na vida de Marquinho, mas de toda a sua família. Primeiro dentre irmãos, tios e primos a se formar, tornou-se naturalmente uma referência.

Em 2008, visitou a sede da IT Mídia, junto de outros jovens beneficiados pelo Instituto IT Mídia, para um evento de relacionamento. A forma como os colaboradores da empresa interagiam e as risadas entre eles despertaram os sentidos de Marquinho, antes conformado com o ambiente rígido e quieto em que trabalhava à época. “Pensei: que vontade de trabalhar aqui!”. Dois anos depois, participando de outro evento da empresa, chegou o convite: havia uma vaga disponível na área de atendimento ao cliente. Mais uma vez, o desejo de aproveitar uma chance o fez mudar os rumos, deixando sua área de formação.

Há sete anos na IT Mídia, ele planeja, para 2017, sua segunda pós-graduação, em inteligência de mercado. A primeira, em gestão de projetos, foi concluída há dois anos. “O mercado hoje em dia muda muito, as coisas se transformam com rapidez e é preciso ficar atualizado”, justifica. Aos 28 anos, deseja se tornar palestrante, subsidiando o mercado com as informações relevantes que coleta nos estudos produzidos pela IT Mídia. “Quero abrir a minha mente para me tornar um profissional cada vez mais competente”.

Marquinho aprendeu que oportunidades não se desperdiçam. E que, acima de tudo, é possível sonhar alto.

Add CommentYour email address will not be published